o fim

by B Fachada

/
1.
04:12
2.
02:40
3.
03:51
4.
03:20
5.
02:46
6.
03:11

about

Escrito, tocado e cantado por b fachada

Produzido por b fachada e eduardo vinhas
Gravado no golden pony por eduardo vinhas e b fachada
Misturado em casa

credits

released December 27, 2012

tags

license

all rights reserved

about

B Fachada Portugal

contact / help

Contact B Fachada

Streaming and
Download help

Redeem code

Track Name: boa nova
Põe-te em sentido o chefe do partido vai passar
Não estou contido tu comido tens que te safar
Por ter ficado convencido
o coitado do marido
tem razões para suspeitar

Piquei a dúzia nem ficou assim tão má
Agora tenho braços de papá
Obra prima já demora
a ver se a musa colabora
ou alguém que corrija o blá blá blá

Boa nova
Não caí na cova
Boa nova
Ninguém sabe o que eu passei
Boa nova
É só mais esta sova
Boa nova
Pelos amigos que eu estraguei


Tão pouco exílio para tamanho auxílio não mereço
Tenho utensílio vou ao domicílio pelo meu preço
Já fui vadio
fresco e fértil como um rio
fiz direito e escangalhado e do avesso

É só garganta toda a gente canta como sempre
Fachada santa enquanto o demo se alevanta quente
Retransformado
um rabino depilado
tem cuidado com a corrente

Pus-me até gentil
Mas andei a 1000
E agora afinal
É meio barril por cada bacanal
Lá para meio de abril
Já estou mestre do caril
É natal
E para o brasil só em 2000 e tal
Track Name: amor-de-mãe
Pendura a farda no cacifo e os brinquedos do costume
Passa a roupa do ministro e uma gota de perfume
Lambe as chagas do submisso dá-lhe ganza dá-lhe lume
Está puxado o lustro ao vício vais desenterrar o gume

Que a malta está sem direcção
Eu bem vi na televisão
Uns a dar do coração
O que faz falta à multidão


Se subiste o preço da visita e o ministro fica fulo
Dá-lhe com a chibata e explica tu arrotas eu engulo
Eu que não percebo a vida tu que lestes o catulo
É que a coisa anda fodida de berlim ao caramulo

Quando visto o cabedal
Pele de igual com pele de igual
Nunca é caro tanto amor maternal


Não é que o gajo ainda mexe vamos puxa do canhão
Será que assim ele reconhece o teu amor na repressão
Toda a força que ele quisesse até estar cheio de perdão
Carinho desse é que merece bolsa de investigação

Se precisares de apertar com a disciplina
Deixa acabar o stock de bacitracina
Deixa-o manchar a peruca e a batina
Não tentes doutrinar um doutor da pantomina
Track Name: o fim
Final concreto
Tudo em aberto
Futuro na mão
Já estou tão perto
Depois do deserto
Quantas bocas cantarão
Quando eu estou fora
Toda a gente me adora
Nunca durmo no chão
Braguesa também chora
Fiz dela a minha kora
É a globalização

Já bati com a porta na canela
De uma maria-rapaz
Atirei-lhe as tranças pela janela
Já nem ela quer voltar atrás


Saltar da ponta
Já nem conta
Toda a gente o fez
Estás toda tonta
Bom touro não se monta
Falando em português
Sinais com fumo
Amassos no consumo
Talento e timidez
Canções sem rumo
É desta que eu me assumo
Fica tudo para vocês


Se eu casar com ela
nada tens com isso
Mudo para a favela
assino o compromisso
Fica a cabidela
com as cordas do chouriço
Vida toda bela
fazemos pouco lixo
Corta na novela
para não criar mais bicho
Se o amor te apela
dá-lhe de exercício
Parte uma costela
para o osso ficar maciço
Mais uma ramela
é lá tensão para rebuliço
Track Name: mana
O dia corre bem já escrevi mais umas 100
ninguém me vai achar aquém pelo menos a maneca
Estás convencida mais mulheres para a minha vida
já ganhámos a corrida mais comida para a maneca
Feriado vais de passeio mais o fachada do meio
um bocado feio o pai não veio com a maneca
Vens cansada mais barriguda que amolada
mais um buda e é manada ajuda a fada da maneca que vem

Já conversa ao fim do dia
Já o sancho tem
Manhas que eu fazia e preferia
Partilhar com alguém
Casa fria e vazia
Vai perguntar à tia bia
Mas quem é que não queria
Uma menina também


A noite traz refém mais uma cantiga para o harém
não estás feliz meu bem quem canta só maneca
Findo o caminho muitos álbuns à mourinho
não me sinto tão sozinho a culpa é toda da maneca
Campeão do chuveiro cadê segundo e terceiro
é do cheiro é prazenteiro para a maneca
Fui marujo mas nem fiquei assim tão sujo
vocês curtem é zambujo ao menos fujo da careca que vem


Essa mania de vir 1 de cada vez
nem coceguinhas na braguesa faz
Perde algum tempo a juntar uns 33
ou não te queixes de ficar para trás
Se tens ideias para acabar com a estupidez
para quê fuçar no bacalhau à braz
Muita raiva com o teu grau de frigidez
não chegava nem que eu fosse um bom rapaz
Track Name: mano
Não dás na cocaína e tomas conta da prima
Não cospes no jantar sou eu que mando na cantina
Não abusas da menina nem te deixas vacinar
Não confias no fado
É só mais um segredo
Se eu ficar inflacionado
Pelo vosso agrado o meu degredo

Estás tenro para a maria há tempos que eu to dizia
Não te sabes comportar mas és lingrinhas para rufia
Já o outro combatia a fantasia de falhar
Vai ficar complicado
Mas o tempo é comprido
Eu que o diga coitado
Não estou cansado estou fodido


Se te sair um irmão mas que puta confusão
Quantas pilas mais virão à pendura
Está marcado o nosso verão um bebé para cada mão
Mais um prato à refeição que fartura


Quem vai juntar os 2 no mesmo amor fraterno
O pai distrai-o a tentação de ser eterno
Samurai esquecido entre as gavetas do inferno
Estima cada brinquedo
Deixa o berço perfumado
Uma família sem medo
Cada dedo é mais bruxedo para o bailado
Track Name: fado
Deus da quimera
Da primavera
E depois do verão
Ai quem me dera
Uma menina bera
Para a revolução
Fado à portuguesa
Na braguesa
Sobremesa sobre a solução

Guita queimada
Cantiga hipotecada
Posição
Puta mimada
Escafiada
Ao primeiro safanão
Escravos da alegria
Cães e botaria
Orgia do bastão


Batotice da batuta na cabeça do irmão
Que esta orquestra já cantou demais
Com mais bossa já desculpam tanta desafinação
Neste e noutros portugais


Ponho-me à espera
Eu mais quem viera
Só paro de manhã
Pedra na fera
Juntos noutra era
Era a malta sã
Quanto requebrado
Amor por todo o lado
Atado em itapoã

Depois da jantarada
Culpa da pesada
Na barriga inchada
Um mazagrã
Fruta demolhada
Brandy de rajada
E mais uma mamada
Barregã
Mandas-te à aventura
Pátria dura dura
Escura e sem xamã